Aeroportos britânicos terão equipes especializadas no combate à escravidão

1 de março de 2014

No Brasil, existe um Posto Humanizado de atendimento as vítimas do tráfico humano no aeroporto de Guarulhos.

Aeroportos britânicos receberão equipes de agentes especializados no reconhecimento e tratamento da escravidão. Embora a escravidão seja “oficialmente proibida” em quase todos os países do mundo,  ainda é legal na Mauritânia, por exemplo. Atualmente existe a “nova escravidão” que, longe de estar abolida, chega a afetar a mais de 21 milhões de pessoas no mundo. (fotos: Urban Times / PA / Wagner Hosokawa)

Para evitar este tipo de escravidão, especialmente relacionada com o trabalho forçado e a exploração sexual, o Heathrow Airport, em Londres, receberá antes do 1º de abril um grupo de pessoas treinadas na identificação de vítimas e na desintegração de grupos criminosos envolvidos com a prática.

border agency Membros da polícia de fronteira do Reino Unido, a Border Agency

A equipe será formada pela polícia de fronteira (Border Agency) particularmente preparada para evitar que o “Reino Unido não seja um caminho fácil para os traficantes”, segundo o governo britânico. Além disso, está previsto que essas equipes trabalhem também no Gatwick Airport e no Manchester Airport, ambos na Inglaterra, antes do fim de 2014.

Karen Bradley, Ministro de Segurança do Reino Unido, explicou que as equipes estarão assistidas pela Agencia Nacional do Crime, cuja função será proteger as crianças envolvidas assim como fornecer a essas crianças de advogados independentes especializados no tráfego de pessoas. “Através de suas habilidades e do trabalho em equipe, essas novas equipes de especialistas usarão  e estenderão essa experiência em todo o país”, explicou Bradley.

O governo britânico, ainda pretende acompanhar a iniciativa com uma nova legislação contrária o tráfico humano. A lei, nomeada Modern Slavery Bill, poderia aumentar a pena máxima de prisão para os infratores de tráfego humano para até 14 anos. Embora o projeto tenha sido encaminhado em agosto do ano passado, ele ainda não foi debatido ou votado pelo parlamento britânico.

0_7445_mfoto_zaca_oliveira_posto_de_atendimento_ao_migrante_02_copyInauguração, em 2006, do Posto de Atendimento Humanizado aos Migrantes, no Aeroporto Internacional de Guarulhos

Brasil

Desde 2006, existe no Aeroporto Internacional de Guarulhos o Posto Avançado de Atendimento Humanizado aos Migrantes com o objetivo de atender às vítimas de tráfego humano. O Posto, tido como referência no Brasil, identifica a cada mês cerca de 18 casos de tráfego com exploração sexual.

Das 70 mil pessoas que são traficadas anualmente no País, a maioria são mulheres jovens, solteiras, nordestinas e residentes em grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador, conta Genilda Bernardes, Secretária de Assistência Social de Guarulhos.

A Revista Embarque falou no ano passado com Genilda que explicou o papel do Posto Humanizado na extinção da prática criminosa. Além disso, a Revista Embarque, em sua terceira edição impressa, realizou uma reportagem sobre o tráfego humano, especialmente o que acontece dentro dos aeroportos. Para conhecer mais, accese no link. 

Ana Abril com informações da BBC, do Parliament UK e da Revista Embarque

 

Ana Abril (90 Postagens)

Estudante do último ano da dupla graduação em Jornalismo e Comunicação Audiovisual. Mora em Praga, na República Tcheca. Colunista da Revista Embarque.


Redação Embarque

Email: embarque@revistaembarque.com
Email: jornalismo@midiaconsulte.com.br

Fone: (11) 3101-1912

Comentários