Eduardo Sanovicz discute exigência de vistos em evento da USP

O evento foi promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP.

Por: Redação ABEAR - 16 de abril de 2023

O presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Eduardo Sanovicz, também professor do curso de Turismo da Universidade de São Paulo (USP), debateu nesta quinta-feira (13) a exigência de vistos para estrangeiros, Relações Exteriores, Turismo e outros temas durante o painel online “Vistos e turismo: Ampliando debates”, promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da USP.

”Acredito que hoje o tema reciprocidade, que é o grande motivo desta volta da exigência de vistos, está ligado a algo ultrapassado, ao século XX, onde tivemos diversos períodos de pós-guerra. Hoje este conceito precisa ser rediscutido, juntamente com a discussão sobre soberania, que é construir um país justo, sem pobreza e miséria. O turismo é um instrumento para construir um país soberano. O conceito de reciprocidade tem que ser revisto à luz desse conceito”, disse Sanovicz durante a sua fala no painel, referindo-se à volta da exigência de vistos para norte-americanos, australianos, japoneses e canadenses que voltará a ser obrigatória em outubro de 2023.

“O Brasil, nos últimos seis anos, não teve qualquer programa de promoção de turismo no exterior. Neste momento, que voltamos a ter um setor mais organizado, podemos ter a chance de voltar a trazer mais estrangeiros. Pode parecer pouco a questão do visto, mas se atrelarmos a não-exigência da autorização com um programa robusto de promoção no exterior o retorno será de grande proporção”, afirmou Sanovicz, que falou também sobre o recente estudo do professor de Turismo da USP, Glauber Santos (também presente no painel), das perdas que a volta da exigência do visto pode trazer para a economia brasileira.

“O número de países que exigem vistos está diminuindo. Turismo é um mercado extremamente competitivo e várias nações já perceberam isso e estão retirando a exigência. Neste momento o Brasil não está só ficando para trás, ele está remando na direção contrária”, complementou o professor Santos.

O evento contou também com a participação da professora do Instituto de Relações Internacionais da USP, Rossana Rocha Reis e do assessor do Ministério das Relações Exteriores do Peru, Carlos Ernesto Rosas Rosas. A mediação foi do professor Thiago Allis (EACH-USP).

(Visited 181 times, 1 visits today)

Redação Revista Embarque

Email: embarque@revistaembarque.com