Veja como era viajar de avião na “era de ouro” da aviação

28 de março de 2014

Nas décadas de 50, 60 e 70, o conforto e a qualidade eram os diferenciais

Viajar de avião nas décadas de 1950, 1960 e 1970 era uma experiência completamente diferente em relação aos dias de hoje. A rotina atual dos aeroportos não lembram em nada a era de ouro da aviação. 

Passageiros na Primeira Classe de Boeing-747 da Continental Airlines na década de 1970

Passageiros na Primeira Classe de Boeing-747 da Continental Airlines na década de 1970

 

Naquela época, “voar” era um privilégio restrito a poucos, pois o preço das passagens aéreas eram bem salgados. Os bilhetes chegavam a custar 40%  ou mais do que pagamos hoje. Em 1955, por exemplo, uma passagem de ida e volta de Chicago para Phoenix (aproximadamente 2700 km de distância) custava US$ 138, se calcularmos a inflação, hoje em dia sairia pela bagatela de US$ 1,168 (cerca de R$ 2,715).

 

Algumas aeronaves tinham bar com direito a música ao vivo

Algumas aeronaves tinham bar com direito a música ao vivo

 

Por mais que os preços fossem altos, o serviço de bordo não deixava nada a desejar. As empresas ofereciam uma série de pequenos luxos, que praticamente não existem hoje em dia. Apenas se você viajar na primeira classe é possível encontrar os mimos.

 

Nada de aperto

As aeronaves tinham mais espaços entre as poltronas, os banheiros eram bem espaçosos e até as bagagens de mão tinham um espaço amplo, proporcionando maior conforto durante a viagem.

 

O compartimento para bagagem de mão era enorme

Entre as décadas de 1940 e 1950 os aviões possuíam camas embutidas para os passageiros da 1ª classe

Um banheiro  que em nada lembra os de hoje em dia

Um banheiro que em nada lembra os de hoje em dia

passado_aviacao18

Espaço confortável entre as poltronas

Refeições a bordo

Nas viagens longas, as empresas tinham a preocupação de servir refeições completas, com direito a vinho e uísque. Pratos de porcelana e taças de cristal davam um toque todo especial ao banquete, e não tinha miséria na hora de servir. Para atender todos os passageiros com conforto, os aviões de grande porte contavam com até 15 comissários, além de seis profissionais na cabine de comando.

Refeição servida no Boeing-707 da PAN AM na década de 1960

Refeição servida no Boeing-707 da PAN AM na década de 1960

Nos anos 1960, mesmo quem viajava na classe econômica tinha direito a refeição completa

Nos anos 1960, mesmo quem viajava na classe econômica tinha direito a refeição completa

 

Você sabia?

O serviço de bordo da extinta Varig (companhia aérea brasileira) foi premiado como “O Melhor do Mundo” em 1979, pela revista americana “Air Transport World”. A companhia diferenciou seu serviço quando começou a operar a rota entre Brasil e os Estados Unidos.

 

Propaganda da Varig mostrava a fartura do serviço de bordo

Propaganda da Varig mostrava a fartura do serviço de bordo

O ex-presidente da República Huscelino-Kubitschek em uma voo da Varig em 1950 (Foto: Jean Manzon)

O ex-presidente da República Juscelino Kubitschek em um voo da Varig, em 1950 (Foto: Jean Manzon)

Na primeira classe da Varig, o "kit viagem" disponibilizava cremes para as mãos e perfume francês

Na primeira classe da Varig, o “kit viagem” disponibilizava cremes para as mãos e perfume francês

 

 * Com  informações dos sites Exclusivité, FastCompany e Tudo interessante 

(Visited 4.236 times, 2 visits today)

Redação Revista Embarque

Email: embarque@revistaembarque.com
Email: jornalismo@midiaconsulte.com

Fone: (11) 3136-0953

Whatsapp: (11) 96948-7446

Comentários


WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com