Aeroportos brasileiros atenderão 295 milhões de passageiros até o final do ano

29 de junho de 2014

Foram  construídos 1,4 milhão de metros quadrados de novos pátios, o equivalente a 167  Maracanãs

Os principais aeroportos do Brasil chegam ao mês da Copa do Mundo com um salto sem precedentes na sua capacidade. Em três anos e meio, os terminais que atendem as capitais tornaram-se capazes de acomodar por ano mais 70 milhões de passageiros – o equivalente a seis vezes a população de São Paulo, maior cidade do País.
No começo de 2011, os maiores aeroportos brasileiros podiam receber 215 milhões de viajantes. Agora, a capacidade é de 285 milhões de pessoas por ano. No fim de 2014, com a finalização do novo aeroporto de Viracopos, ela será de 295 milhões de passageiros por ano.

Investimentos 
A expansão se deu graças aos R$ 11,3 bilhões investidos nos últimos três anos e meio, tanto na rede operada pela Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) quanto nos quatro aeroportos concedidos à inciativa privada. A mudança foi mais acelerada nestes últimos: somente entre 2012 e 2014, eles tiveram sua capacidade ampliada em 57%. Até o final deste ano, a expansão terá sido de 76%.
Esta é a principal injeção de recursos que os aeroportos brasileiros já receberam em um curto período de tempo. Ela atende à forte expansão na demanda no país na última década, quando o uso do avião quase triplicou.
“Já podemos perceber nitidamente que o transporte aéreo brasileiro entrou em outro patamar. Os investimentos feitos pelo governo federal, além da iniciativa de conceder aeroportos para administração privada, colocaram-nos de vez no século 21”, afirmou o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco. “A tendência é que cresçamos cada vez mais, trazendo conforto, modernidade e segurança para passageiros brasileiros e estrangeiros”, acrescentou.

Melhorias para Copa do Mundo
O projeto para a Copa incluiu concessões de seis aeroportos: Brasília (DF), Campinas (SP), Guarulhos (SP), São Gonçalo do Amarante (RN), Galeão (RJ) e Confins (MG). Além disso, investimentos de R$ 6,28 bi para melhoria da infraestrutura aeroportuária em terminais de passageiros, pistas e pátios, e adequações operacionais. Os 21 empreendimentos de reforma e construção de terminais de passageiros aumentarão em 81% a capacidade de recepção de passageiros nos aeroportos da Copa.
A capacidade de atender turistas brasileiros e estrangeiros já é, hoje, maior do que o necessário. Durante os 45 dias que marcam o evento esportivo no Brasil, os aeroportos das cidades-sede terão aumento de 209% no número de funcionários públicos responsáveis pela segurança nos terminais, como os agentes da Polícia Federal e da Receita Federal.

Passagens aéreas
O governo criou um comitê interministerial para discutir e fiscalizar preços, tarifas e a qualidade dos serviços durante a Copa. Em caso de preços abusivos, os órgãos de defesa do consumidor podem agir. Sobre os hotéis, o Ministério do Turismo criou um site sobre hospitalidade para divulgar opções de hospedagens alternativas. Quanto às passagens, a Anac aumentou a malha aérea para estimular a diminuição dos preços.
Quanto à quantidade de voos e demanda, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou um aumento de 1.973 novos voos entre 6 de junho e 20 de julho, com objetivo de reforçar a malha aérea e diminuir os preços das passagens durante a Copa do Mundo.

Inovações tecnológicas
Rotas mais diretas, redução no tempo de voo, menos poluição no meio ambiente, diminuição do ruído e economia de combustível são alguns dos benefícios que novas tecnologias passarão a implementar na infraestrutura aeroportuária brasileira. A otimização do uso do espaço aéreo já é realidade no Brasil por meio de novos sistemas de navegação que vão permitir a capacitação de recursos humanos nos aeroportos, bem como promover a evolução do Sistema de gerenciamento de tráfego aéreo.
O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) é uma organização subordinada ao Ministério da Defesa e sob Comando da Aeronáutica que é responsável pelo controle estratégico do espaço aéreo brasileiro. Todos os serviços que demandam alto grau de tecnologia, mão-de-obra, pesquisa e planejamento especializados, relacionados ao controle do nosso espaço aéreo, são prestados pelo Decea.
O Programa Sirius Brasil é uma dessas tecnologias e trata-se de um conjunto de empreendimentos que tem modernizado o Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (Sisceab). O Sirius é um programa voltado a modernização do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro nas seguintes vertentes: segurança operacional, gerenciamento de tráfego aéreo, comunicação aeronáutica, vigilância aérea, navegação aérea, meteorologia aeronáutica, gerenciamento de informações aeronáuticas, busca e salvamento e recursos humanos.
A implementação de alguns sistemas previstos nestes empreendimentos viabilizam, dentre outros recursos, a redução de custo operacional no transporte Aéreo, como por exemplo: RNP AR (procedimento de aproximação para pouso baseado em satélites que torna o voo muito mais preciso e proporciona uma descida em velocidade contínua) ou o ADS-B na Bacia de Campos, ferramenta análoga ao radar, porém de custo muito menor e que pode ser instalada em plataformas de petróleo para monitorar voos de helicópteros.
Com a adoção dos recursos de alta tecnologia e das inovações do Programa Sirius Brasil, afinado ao Conceito Operacional ATM (Gerenciamento de Tráfego Aéreo), o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) faz com que o Brasil figure no seleto grupo de países que operam as mais modernas tecnologias de navegação aérea.
Novas regras para acessibilidade
No último dia 16 de abril, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) lançou novas regras de acesso ao transporte aéreo de Passageiros com Necessidade de Assistência Especial (Pnae). Uma das principais mudanças é transferir das companhias para o operador aeroportuário a responsabilidade pelo fornecimento de mecanismos adequados para o embarque ou desembarque de passageiros. O procedimento pode ser feito com equipamento de subida ou descida por rampa, quando é o caso de passageiros que necessitem de macas ou cadeiras de rodas.

Dados
De 2011 até o momento, foi construído 1,4 milhão de metros quadrados de novos pátios, o equivalente a 167 campos de futebol como o Maracanã. Além disso, foram criadas 270 vagas de estacionamento para aeronaves comerciais tipo Boeing-737, que têm capacidade para cerca de 200 pessoas.
Os principais aeroportos do País também receberam 65 novas pontes de embarque, o que representa 39% a mais. Outras 34 serão entregues até o fim deste ano.
A área de terminais de passageiros nos aeródromos brasileiros passou de 1,1 milhão de metros quadrados para 1,5 milhão de metros quadrados. No fim de 2014, serão 47% de expansão, já que a área total será de mais de 1,7 milhão de metros quadrados.

Veja as principais melhorias em alguns aeroportos do País:
Galeão (RJ)
O Aeroporto Internacional Tom Jobim chegou ao mês da Copa com capacidade de atender 30,8 milhões de passageiros por ano. Trata-se de um salto de 77% em relação aos 17,4 milhões de passageiros que o Galeão comportava antes da reforma no Terminal-2. A renovação acrescentou 13 mil metros quadrados ao terminal de passageiros, que ganhou duas novas ilhas de check-in, com 32 balcões de atendimento, e um novo sistema de esteiras de bagagem. Foram instalados novos pórticos de raio-X e banheiros foram reformados. Até o final do ano, mais 35 mil metros quadrados de terminal serão entregues.

Brasília (DF)
O terminal principal do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek ganhou duas novas alas e 16 novas pontes de embarque. O conjunto de obras aumentou a capacidade do aeroporto de 16 milhões para 25 milhões de pessoas por ano – uma expansão de 56%.
Com a construção dos píeres Sul e Norte, as novas alas de embarque e desembarque doméstico e internacional, a área destinada aos passageiros no JK passou de 80 mil para 120 mil metros quadrados. O pátio de aeronaves, outro elemento crítico para a ampliação da capacidade de um aeroporto, cresceu mais de duas vezes e meia. O número de vagas para automóveis mais do que dobrou com a inauguração de um segundo estacionamento.

Porto Alegre (RS)
O Aeroporto Internacional Salgado Filho ganhou quatro novas pontes de embarque e uma reforma que ampliou sua capacidade em quase um terço. Em junho de 2014, o aeroporto da capital gaúcha podia atender até 15,3 milhões de passageiros por ano, contra 11,8 milhões em janeiro de 2011.

Confins (MG)
O Aeroporto Internacional Tancredo Neves triplicou nos últimos três anos e meio sua área de estacionamento de aeronaves. As obras no aeroporto, ainda em curso, já elevaram sua capacidade em 67% – de 10,2 milhões para 17,1 milhões de passageiros por ano.

Manaus (AM)
O aeroporto Eduardo Gomes teve uma expansão de 110% em sua capacidade de receber passageiros. Nos últimos três anos e meio, ela subiu de 6,4 milhões de pessoas por ano para 13,5 milhões. A área disponível aos passageiros cresceu 65%, e o número de vagas de estacionamento saltou de 770 para 1.160.

Guarulhos (SP)
O maior aeroporto do País ganhou um novo terminal de passageiros, o terminal 3, cuja área equivale à dos três outros terminais somados. A área para passageiros em Cumbica dobrou, de 191 mil para 387 mil metros quadrados; 20 novas pontes de embarque foram construídas e o pátio de aeronaves cresceu de forma a acomodar mais 47 aviões tipo Boeing-737. A capacidade de passageiros por ano cresceu 68%, de 25 milhões para 42 milhões.

Com Informações da ANAC e Infraero

(Visited 358 times, 1 visits today)

Redação Revista Embarque

Email: embarque@revistaembarque.com
Email: jornalismo@midiaconsulte.com

Fone: (11) 96948-7446

Whatsapp: (11) 96948-7446