“Ainda não iniciou o processo da Itapemirim Linhas Aéreas”, diz CEO

O executivo alerta para que não acreditem em quem está oferecendo treinamento/informação privilegiada

15 de julho de 2020

Os rumores de que a Itapemirim – empresa que atua há 65 anos no setor rodoviário – irá operar no setor aéreo é verdade, porém, não neste ano.

A notícia é boa, principalmente, neste momento em que aviação brasileira e mundial sofre uma das piores crises econômicas de sua história por causa da pandemia de COVID-19.

Devido à pandemia, os aeroportos estão com malha aérea reduzida e essencial, com o transporte de profissionais da saúde e cargas.

Em entrevista ao UOL, o CEO da Itapemirim Linhas Aéreas, Tiago Senna, informa que a expectativa é assinar o contrato de leasing dos primeiros aviões ainda neste mês de julho para começar a voar no primeiro trimestre do ano que vem.

A Itapemirim promete ir na contramão das companhias de baixo custo. A empresa pretende oferecer um serviço premium, com serviço de bordo diferenciado e classe executiva nos voos domésticos.

O foco da Itapemirim deverá ser o passageiro corporativo. “Esses são os passageiros frequentes e não existe uma classe específica para eles”, afirmou Senna ao UOL.

Contratações serão divulgadas pelos canais oficiais

Para dar início às operações, a Itapemirim prevê contratar 600 funcionários nos próximos meses, sendo 160 pilotos e 320 comissários de bordo para os dez primeiros aviões da frota.

Em sua página no LinkedIn, o executivo informa que a Ita Linhas Aéreas ainda não iniciou o processo de seleção e recrutamento de colaboradores e tripulantes.

“O processo quando for aberto será por meio de prova online onde TODOS terão acesso as informações e conteúdo. Não acreditem em quem está oferecendo treinamento ou dizendo que possui informação privilegiada. Quando o processo se iniciar, publicaremos nas redes sociais oficiais da empresa. Por favor, não enviem currículos para nenhum endereço”, disse.

Quadro preocupante

A crise da COVID-19 impactou profundamente o mercado de trabalho dos profissionais da aviação, principalmente os aeroviários (que trabalham em atividades em solo) e aeronautas (comissários de voo, pilotos e co-pilotos).
Com a redução da malha aérea nacional, as empresas demitiram trabalhadores e trabalhadoras e, outra parte teve redução nos salários, contratos de trabalho suspensos e outros estão com licença não remunerada (sem receber os salários).

(Visited 100 times, 1 visits today)

Redação Revista Embarque

Email: embarque@revistaembarque.com
Email: jornalismo@midiaconsulte.com

Fone: (11) 3136-0953

Whatsapp: (11) 96948-7446

Comentários


WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com